Carregando

O Pequeno Portal


Sentindo o campo energtico da galxia, no caso a Via Lctea, modificar-se por alguns instantes, Aldebaran, O Protetor das Pleyades pensou por alguns instantes se seria o caso de preocupar-se ou diminuir o fluxo de energia para o planeta de onde viera a alterao, mas logo ao harmonizar-se com o campo magntico viu que era desnecessrio, pois a inteno para o uso da energia era construtiva, ou seja, conforme os padres primeiros estipulados pelo Cristo Csmico, o Senhor de todas as galxias, o que sempre existiu, no tendo incio determinado, nem fim previsvel, o poder do Deus Desconhecido em ao.

Cada galxia um universo em si mesma, ou seja, a vida que entra na mesma flui nos limites da galxia e assim por todo o universo, permitindo o equilbrio e a vida em todos os confins dos nossos bilhes de galxia.

Do mais alto ao mais baixo, ou seja, do centro energtico galctico, por onde a vida flui primeiramente, bebendo no Jordo Csmico, na prpria fonte Desconhecida e jamais vista, a cada ser consciente ou mesmo a cada ser.

A vida esparrama-se pela galxia descendo de seu centro energtico para as constelaes; da para as estrelas; dessas aos planetas e nesses aos seres que o habitam.

Em cada ser ou cada organismo csmico existe um portal por onde a energia penetra.

No haveria vida no fora esses portais, que so abertos e mantidos por seres que atingiram a perfeio no nvel que a energia exige, ou seja, no nvel de ser humano, planetrio, estelar, das constelaes e galctico, isto sem falarmos de etapas a serem cumpridas entre os nveis, quer dizer, do homem ao Mestre Planetrio h muitas etapas, deste ao Mestre Estelar inmeras, e assim por diante para ascender-se na Hierarquia Csmica.

Um portal abrira-se, nfimo verdade, quase nenhuma energia vital fluindo por ele, mas vida vida, energia csmica energia csmica e Aldebaran tinha por seu dever e ofcio zelar pela manuteno e correta utilizao da mesma na galxia e assim, interessava-se por qualquer tentativa de ascenso, independentemente do nvel em que se desse.

Aldebaran tinha deliberaes a fazer e ordens a enviar.

Era necessrio proteger e preservar o pequeno e corajoso portal de energia csmica, pois ainda no havia atingido o nvel de unir-se fisicamente a irmos maiores na Senda que os levaria a Mestres Planetrios, apenas um pequeno passo havia sido dado.

A proteo e a preservao haviam de ser dadas psiquicamente, coisas simples para os mantenedores da Senda naquele modesto planeta.

E assim se deu. Quanto ao destino do pequeno portal, isto uma outra estria, talvez para a prxima vida. Nesta, manter o portal aberto e aprender a controlar o fluxo de energia.


 Recomende este artigo
Indique para um amigo


Aguarde...






Todos Direitos Reservados © 2018