Carregando

A Caminhada


A adolescncia chega. Com ela as inquietaes prprias do menino que falece para dar lugar ao homem. A parte mais atraente do mundo material jorra com toda a fora. A atrao pelo sexo oposto e todas as reflexes sobre o ato martelam a mente do jovem que no seu raciocnio elementar pensa que todos deveriam casar-se aos catorze, pois assim os impulsos seriam satisfeitos no dando lugar a comportamentos que poderiam ser inadequados. Na minha solitria caminhada para o descobrir de mim mesmo, escrevi:

TO BE OR NOT TO BE

A cada pessoa que passa, a cada passo que avano, a cada letra que escrevo e a cada coisa que penso, sinto-me mais velho, mais fraco e sem foras para lutar contra as arapucas deste mundo, que nos arrasta como correnteza de rio pequeno em poca de chuva, na qual suas guas transbordam e conforme at inundam o vale. Tem vezes que paro observando as crianas brincarem, outras vezes, olho atravs de uma nica abertura, de uma nica porta e o no trafegar de veculos e pessoas, me faz sentir a solido deste mundo. Um mundo que nos oferece cada vez mais prazeres materiais, colocando-nos sempre e sempre, mais prximos da matria e distanciando-nos mais e mais do esprito, o que nos torna cada vez mais fracos e oprimidos.

Da, ver que cada segundo a mais de vida, mais um segundo de atraso, um momento perdido, onde nada realizado, devido a no compreendermo-nos. Hoje compreendo a frase de Shakespeare Ser ou no ser, eis a questo.

Intimamente lutamos contra a matria, mas de forma que nos vemos, mais cedo ou mais tarde, por ela dominados, da o esquecimento do esprito, pois essa derrota nos leva a renegarmos o mesmo, a nos sentirmos sem direito de recorrermos ajuda espiritual, pois louvamos o esprito e no nos vemos em condies de no pensarmos na matria e cada vez mais nos vemos necessitados de tais prazeres. Ser ou no ser, voltado completamente para o esprito, eis a questo, questo esta que perdurar por um tempo indefinido e inconstante.

YOUR FRIEND

Hoje (2003) penso que a energia que desperta nossos centros psquicos, ao que tudo me indica, no necessariamente a mesma energia utilizada na atividade sexual e que possvel conciliar evoluo psquica com uma vida normal, apesar de inmeras opinies contrrias.

Os conflitos poca j eram por demais exacerbados. A luta que se avizinhava j tinha os contendores apresentados. A vida e o que esta oferecia era o foco das reflexes do jovem (com dezesseis anos ento) que indagava o porque de estarmos aqui.

Entretanto, o jovem j revelava os sinais das inquietaes presentes naqueles que esto preparados para alar um vo mais alto, atingir o autoconhecimento e quem sabe, um novo nvel de conscincia, pois conhecer poder.

Apenas o essencialmente bom lhe interessava. Gostaria de ser feliz, porm sem magoar ou ferir; de relacionar-se, sem ter de responder por isto mais tarde.

Visualizava o destino para a presente encarnao em:

OS SURDOS

O problema com os surdos que eles falam alto devido a sua surdez no lhes possibilitar medir a intensidade com que lanam a sua voz. Por outro lado, sentem necessidade de que os que com eles conversem, falem tambm com voz elevada, pois se esses no o fizerem, eles no ouviro.

Assim ocorre com aqueles que no conseguem perceber determinadas verdades, no conseguem ouvir, como disse Jesus; esses tambm se vem impelidos a fazer com que os demais no ouam. Acontece ento que o sbio, o que domina o conhecimento do mundo, porm no ouve as verdades do esprito, imbudo da autoridade que lhe do os conhecimentos do mundo, por no saber a verdade, acaba desviando e difundindo uma falsa realidade a que se apresenta por sua surdez.

Isso facilmente explicvel a um surdo, a buzina de um carro estridente, no ser mais que um som que no o afetar, pois o mesmo no percebe esse som. Por isso, possuindo ele um carro, a usar indiscriminadamente, sem perceber que fere quem esta com ele no carro. Para o surdo no h buzina h uma limitao da sua percepo, logo a realidade para ele ser diferente da realidade para aquele que ouve.

Os que ouvem (embora mesmo assim faam soar a buzina, de um outro modo, no fazendo o que devem fazer), devem lembrar-se que os surdos no ouvem, e fazerem o que devem fazer, ser o mdico para o surdo, tentar cur-lo. Aqui se resume o que de principal se cobrar dos que ouvem.

Continuando o texto na mesma linha de raciocnio.

Um bom jogador de futebol jamais deixar de auxiliar seu time. O jogador aquele que ouve, e o time composto por seus semelhantes. A felicidade no mundo depende da quantidade de paz que voc der a este. Existe para voc, quase que certamente, uma vaga noutro melhor, menos impuro, mas este fato aumenta-lhe a responsabilidade de por amor, tentar levar consigo o mximo dos elementos que compem seu time.

certo que nem todos tem a graa de jogarem como voc, mas o que levou-o a jogar assim, a adquirir tal habilidade foi treino e isso voc deve dizer aos demais. Encoraj-los sempre, concordar com eles quando verificar que no compreendero mesmo, dar uma trgua e na primeira oportunidade voltar carga. Perseverar na tarefa que Cristo lhe deixou. A seara grande, poucos so os trabalhadores. No os deixe merc de sua sorte. Traga-os at onde voc esta e o resto eles faro, como voc far. Saiba que esta na metade do caminho. Da dvida passar opinio e da opinio certeza. Eles ainda ignoram totalmente a Lei de Deus. Traga-os at a dvida, que acabaro emitindo opinies e chegando certeza. No os deixe merc de sua sorte. Pague o que fizeram por ti. Algum o auxiliou, tenha certeza disso.

No os julgue com tanto rigor, como deves julgar a si. Voc est mais bem preparado para a prova, portanto, no se justifica uma nota baixa. Os colgios que estudou so melhores, de nvel mais elevado, logo, tens a obrigao de ser aprovado na prova. Alm disso, tem que difundir teu conhecimento, instruir, atrair. medida que evolures lecionar para outros que esto como voc hoje. Estes ensinaro o que aprenderem aos do curso primrio da evoluo e assim daro seguimento a Lei Divina.

Para voc, o momento de emitir opinies, para sair desta em direo a verdade. Paralelamente, no deves se esquecer da tarefa j mencionada e reprisada anteriormente: dar a mo, para os que vacilam nos primeiros passos ou at engatinham. Pacincia para com os bebes. Embora esteja na adolescncia j tens capacidade para tal. Pratique o que ouve. Deus olha por voc. Ele confia em ti. Ore. V, faa o que teu ntimo disser que deve. Importa o motivo com que pratica a ao. No se preocupe, Deus sabe dos motivos que o levam a falar do que ouve.

Sei que no queres parar, mas deve faz-lo. Tens energia reservada que se eleva infinitamente, porm deves praticar o que de imediato se apresenta como tarefa principal. Cumpra bem estas e lhes sero dadas outras. E no esqueas, caminhe para a opinio e desta verdade. Deus o abenoa e o orienta. Embora ainda no aceite, s um enviado dele, um dos seus inmeros filhos. s parte do todo. Sendo parte do todo, ter direito herana, desde que cumpra o estipulado no testamento.

Chegara aos vinte anos. A mensagem, antes transcrita, retrata bem o esprito buscador do jovem e a pr-cincia das possibilidades de realizao nesta encarnao. A clareza do texto dispensa comentrios. A herana a vida eterna junto a Deus, desde que cumprido seus mandamentos e atinja-se a elevao de conscincia. O livre arbtrio, as opes, nos conduziro fatalmente ao Criador Incriado, num belo dia de uma existncia efmera, neste suceder de manifestaes que a vida.


 Recomende este livro para algum
Indique para um amigo


Aguarde...






Todos Direitos Reservados © 2019